quarta-feira, agosto 20, 2008

+01010101

uma materia interessante que foipublicada a um tempinho atrás na scientif america



Uma vida digital
“Ele freqüentemente precisava de uma memória artificial, portátil, infalível.” –Patrick O’Brian, The fortune of war
por Gordon Bell e Jim Gemmell

GORDON BELL, um dos autores, lançou projeto de pesquisa visando a criação de um arquivo digital que registre todas as suas interações com o mundo. As memórias digitais de Bell incluem documentos de sua longa carreira no setor de informática, todas as fotografias que ele tira e as conversas que ele grava, todo site que visita na internet e todo e-mail que envia e recebe. Algumas das imagens do arquivo de Bell estão incorporadas nesta ilustração
Às vezes, a memória humana é inquietantemente insondável. Deparamos com suas limitações todos os dias, ao esquecer o número de telefone de um amigo, o nome de um contato comercial ou o título de um livro apreciado. As pessoas combatem o esquecimento de várias maneiras – por exemplo, com mensagens anotadas em blocos de notas ou agendas eletrônicas – mas mesmo assim muitas informações importantes conseguem escapar. Recentemente, porém, nossa equipe na Microsoft Research deu início à busca por um relato digital de todos os aspectos da vida de uma pessoa, começando pela vida de um de nossos funcionários (Bell). Nos últimos seis anos, tentamos gravar todas as comunicações de Bell com outras pessoas e máquinas, assim como as imagens que ele vê, os sons que ouve e os sites da internet que visita – armazenando tudo em um arquivo digital pessoal seguro e pesquisável.

As memórias digitais podem fazer mais do que apenas auxiliar na lembrança de eventos passados, conversas e projetos. Sensores portáteis podem realizar leitura de coisas que nem mesmo são percebidas pelos seres humanos, como o nível de oxigênio no sangue ou a quantidade de dióxido de carbono no ar. Computadores podem então analisar esses dados para identificar padrões: por exemplo, que condições ambientais agravam a asma de uma criança. Sensores também poderiam registrar os cerca de três bilhões de batimentos cardíacos na vida de uma pessoa, juntamente com outros indicadores fisiológicos, e alertar sobre um possível ataque cardíaco.

Essa informação também poderia permitir aos médicos a detecção precoce de alguma irregularidade, fornecendo um alerta antes do quadro se tornar sério. Seu médico teria acesso a um prontuário contínuo e detalhado, e você não mais teria de se esforçar para tentar responder perguntas como “Quando sentiu isso pela primeira vez?”.

Nosso projeto de pesquisa, chamado MyLifeBits, forneceu algumas das ferramentas necessárias para compilar um arquivo digital de toda uma vida. Descobrimos que as memórias digitais permitem que alguém reviva um evento com sons e imagens, auxiliando a reflexão pessoal da mesma forma que a internet contribui para investigações científicas. Toda palavra que alguém lê, seja em e-mail, seja em documento eletrônico ou em site de internet, pode ser encontrada de novo com alguns poucos toques de tecla. Os computadores podem analisar as memórias digitais para ajudar na administração do tempo, apontando quando você não está dedicando tempo suficiente para suas maiores prioridades. Sua localização pode ser registrada a intervalos regulares, produzindo mapas animados que registram suas andanças. Talvez mais importante, as memórias digitais podem permitir que todas as pessoas contem a história de sua vida para seus descendentes de forma envolvente e detalhada, o que até agora era reservado apenas aos ricos e famosos.

_________________________


Gordon Bell e Jim Gemmell GORDON BELL e JIM GEMMELL trabalham juntos no projeto MyLifeBits da Microsoft Research desde 2001. Um dos pioneiros da indústria de informática, Bell supervisionou o desenvolvimento do famoso minicomputador VAX para a Digital Equipment Corporation nos anos 70. Durante os anos 80, ele ingressou na Microsoft como líder do grupo de pesquisa eSearch. Gemmell é pesquisador sênior do grupo de pesquisa Next Media da Microsoft. Seu atual foco de estudo é o armazenamento vitalício de experiências pessoais, mas seus interesses também incluem gerenciamento de mídia, telepresença e multicast.

Marcadores:

2 Comentários:

Blogger vodca barata disse...

vamo, vamo perucar juntas!
:*

4:22 PM  
Blogger Paulinha Köstlich disse...

ehhhhhhhhhh
=*****

4:25 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial